Gerada por IA. Designed by Freepik
Imagem gerada por IA. Designed by Feeepik
Imagem gerada por IA. Designed by Freepik

Entenda a nova resolução da CVM sobre ESG e seu impacto nas empresas

A importância de protejer a sua empresa contra ataques cibernéticos e evitar prejuízos que vão além do financeiro

Como a LGPD pode se tornar uma vantagem competitiva para o seu negócio

Off On

No cenário financeiro brasileiro, a sigla “ESG” (Ambiental, Social e Governança) ganha destaque como nunca antes. Recentemente, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) lançou uma resolução que traz uma nova perspectiva ao ESG, com implicações significativas para as empresas. Vamos explorar por que essa resolução é tão importante e como ela está moldando o futuro das empresas em nosso país.

A importância da resolução para empresas

A resolução da CVM é um marco na jornada do Brasil em direção à sustentabilidade financeira. Ela está alinhada com a crescente demanda dos investidores por informações mais abrangentes sobre o desempenho ambiental, social e de governança das empresas. A sigla ESG deixou de ser um modismo para se tornar um fator crítico de decisão para investidores conscientes.

Para as empresas, a importância da resolução reside em sua capacidade de aprimorar a transparência e responsabilidade, enquanto ajuda a atrair investidores preocupados com os impactos ESG. Isso significa que as organizações que adotam práticas mais sustentáveis e éticas têm a oportunidade de se destacar no mercado e acessar um pool diversificado de capital.

O que vai mudar com a resolução?

A nova resolução da CVM tem uma série de implicações práticas para as empresas. Ela estabelece diretrizes claras sobre a divulgação de informações ESG, visando torná-las mais comparáveis e úteis para os investidores. Além disso, promove um cronograma de adoção gradual:

  1. Divulgação Voluntária Inicial (A partir de Novembro de 2024): Inicialmente, a adesão ao novo padrão é voluntária. Empresas listadas, fundos e companhias securitizadoras podem optar por seguir as diretrizes ESG a partir do exercício de 2024.
  2. Obrigatoriedade a Longo Prazo (A partir de 2027): A resolução torna a divulgação ESG obrigatória para empresas a partir de 2027, referente ao exercício de 2026. Isso significa que as empresas terão que se adequar e relatar seus indicadores ESG de acordo com as normas definidas pela CVM.
  3. Consulta Pública e Feedback do Mercado: A CVM pretende utilizar o período de relatórios voluntários para coletar feedback do mercado por meio de uma consulta pública. Isso garantirá que as normas sejam refinadas e ajustadas de acordo com as necessidades e expectativas das partes interessadas.

Em resumo, essa resolução da CVM está moldando um ambiente mais sustentável e ético para as empresas no Brasil e o mais importante: o ESG se consolida cada vez mais como um diferencial.

Ela oferece oportunidades para demonstrar compromissos genuínos com a sustentabilidade e a responsabilidade corporativa, além de atrair investidores alinhados com esses valores. Estamos prontos para ajudar nossos clientes a navegar nessa transformação e garantir que estejam em conformidade com essas importantes mudanças regulatórias. Juntos, podemos construir um futuro financeiro mais sustentável e responsável.

Comentários Facebook